sexta-feira, fevereiro 23, 2007

A propósito, o melhor livro de sempre

Mais de cem grandes autores ingleses, americanos e australianos aceitaram fazer um ranking dos melhroes livros de sempre. O Times publica hoje as classificações de Norman Mailler, Tom Wolf e, entre outros Stephen King. Publica ainda os primeiros 21 classificados (os resultados totais serão publicados num livro que sai em Março).Eis os vencedores:
1- Anna Karenina, Tolstoy
2-Madame Bovary, Flaubert
3-Guerra e Paz, Tolstoy
4-Lolita, Nabokov
5-As aventuras de Huckleberry Finn, Mark Twain
6-Hamlet, Shakespeare
7-O Grande Gatsby, F. Scott Fitzgerald
8-À Procura do Tempo Perdido, Marcel Proust
9-Histórias de Anton Checkov, Checkov
10-MiddleMarch, George Elliot
11- Don Quixote, Cervantes
12-Moby-Dick, Herman Melville
13-Great Expectations, Charles Dickens
14-Ulisses,James Joyce
15-A Odisseia, Homero
16-Dubliners, James Joyce
17-Crime e Castigo, Dostoevsky
18-Rei Lear, Shakespeare
19-Emma, Jane Austen
20- Cem anos de Solidão, Garcia Marquez
21-O Som e a Fúria, Faulkner

4 Comments:

Anonymous tangas said...

anna karenina e guerra e paz encheram-me as medidas com o romantismo e as inacabáveis páginas (que saudade do tempo em que os romances eram quase infindos...); madame bovary já na altura em que o li o achei assustadoramente machista, não me perguntem porquê; lolita é praticamente impossível de ler - não consigo ultrapassar o nojo que me causam as descrições da criança/pré-adolescente como objecto sexual de um adulto; mar twain povoou a minha infância de muitas formas e feitios; hamlet pareceu-me brutalmente sórdido (na altura o incesto incomodava-me sobremaneira); o gatsby só poderia ser grande; só dou por perdido o tempo em que não li proust; as histórias do anton checkov não li (ui...); elliot, sim!; devíamos viver todos como dom quixote; moby-dick foi mais o menos o harry potter do meu tempo; o dickens era bom de ler, mas mais o tipo de coisa que interessava a minha irmã mais velha (mas não se despreza uma boa leitura, nem um bom escritor de muitas páginas); o Ulisses, à primeira (em inglês), desconcertou-me um bocadinho mas, mal lhe apanhei o gosto, foi por aí fora - o Joyce é um pedacito 'noir', não acham? -; a odisseia foi como os contos de fadas; ou estava deprimida, ou é o dubliners que é mesmo um pouco pra baixo; o crime e castigo é aquela fatalidade...; o rei lear sempre cheio daquelas coisas espantosas de senso comum que o shakespeare fazia os personagens dizer como se fossem ideias deles; emma, sim, que até parecia mal não ler; os cem anos de solidão foram um bocadinho lentos de percorrer, mas lá cheguei ao fim; sim, definitivamente, o melhor de todos, o som e a fúria, alíás, como todos os de faulkner.

1:31 da tarde  
Blogger abrunho said...

li dois e nao me arrependo

10:25 da tarde  
Blogger Pedro said...

não gostei de madame bovary.
De resto, acho que poucos são os que não merecem ser os melhores...

realmente, há aqueles livros grosseirões, simplesmente infindos. podem pensar que sou louco, mas adoro pegar num desses livros e lê-los. É a maior aventura de todas!

7:23 da tarde  
Anonymous Pat said...

não gostei de "emma". achei muito melhores (de jane austen): "persuasão", "sensibilidade e bom senso" e "orgulho e preconceito".

6:56 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home