terça-feira, maio 02, 2006

O País dos Consensos Moles

"Soy iberista confeso. Tenemos una historia común, una lengua común y una lengua común. Hay unidad histórica y cultural e Iberia es una realidad que persigue tanto el Gobierno español como el portugués. Y si hay algo importante para estas relaciones son las infraestructuras de transporte"

Esta recente declaração do ministro Mário Lino está a provocar um pequeno terramoto político. Perfeitamente idiota, já se vê. Há mesmo quem peça a demissão do senhor do Governo de José Sócrates.
Há políticos mais adeptos de um regime presidencialista, outros preferem uma matiz parlamentar; há quem adore a República, quem suspire pela monarquia; quem seja federalista e os ferrenhos da soberania dos Estados-Nações; os europeístas e os atlântistas; os socialistas e os liberais; os conversadores e os sociais-democratas....
Será que não cabemos todos na mesma democracia? E mais, será que mesmo dentro de um Governo não há espaço para alguma amplitude de opções, desde que devidamente enquadradas no respectivo programa de governação? Para quê tanta agitação?

De facto, em Portugal pelamo-nos por uma boa polémica. Mas pelamo-nos sobretudo por que não haja polémicas, por que todos tenhamos a cara pintada da mesma cor. No fundo, nós saímos do salazarismo mas o salazarismo não saiu bem de dentro de nós.

4 Comments:

Blogger FT said...

Deixa o Luis ler isto que tu vais ouvir! E das boas....

12:45 da tarde  
Blogger maloud said...

Vamos lá a reeditar 1640, mais a guerra das laranjas, mais o patrioteirismo que olha de soslaio e cheio de inveja os espanhóis. E porque não um bocadinho de bom senso?!

1:34 da tarde  
Blogger O Raio said...

Como referi num artigo que escrevi no meu blog, o problema principal nem está no facto do Minstro ser ou não favorável à União Ibérica.
O problema principal está no ministro ter dito que Iberia es una realidad que persigue tanto el Gobierno español como el portugués o que sugere a existência de qualquer tipo de agenda secreta que motiva os governos de Portugal e, aparentemente, também de Espanha a trabalharem para unir os dois países sem nenhum mandato para tal.
Isto é inadmissível e mostra uma perfeita falta de democraticidade do governo português (e do espanhol também).
Embora eu discorde dela, acho que a União ibérica é perfeitamente defensável e de nenhuma forma me chocaria que o PS (ou o PSD ou qualquer outro partido) se apresentasse a eleições tendo esta União no seu programa eleitoral. Eu não votaria nele mas admito que outros o fizessem.
Assim não haveria nenhum problema. Mas caminhar para uma União Ibérica nas costas dos cidadãos não!

3:14 da manhã  
Blogger Núncio said...

Obviamente que o cidadão Mário Pino tem direito a defender doutrinas mil, do iberismo ao niilismo...
Obviamente que o ministro do Governo da República não tem direito a defender e, pelos vistos, praticar doutrinas contrárias aos interesses de Portugal, pois se ele está lá é mandatado pelos Portugueses para defender a independência, a hístória e a cultura Portuguesas...
Obviamente, num país a sério, demitia-se ou era demitido!

www.odivademaquiavel.blogspot.com

12:09 da manhã  

Enviar um comentário

<< Home