sexta-feira, junho 30, 2006

As bandeiras- um tratado sociológico

Eu e o meu amigo sociólogo Serras Gago - que teve a preciosa ajuda do seu filho Frederico no trabalho de campo - acabámos de discutir as conclusões finais de um minucioso trabalho sobre aquilo a que os leigos chamam bandeirinha à janela. O trabalho de pesquisa, no qual não participei e que utilizou instrumentos científicos tão indiscutíveis como o olhar de relance, resultou nas seguintes conclusões:

a) Na Av. dos Estados Unidos existem, grosso modo, 35 bandeiras portuguesas e uma brasileira num universo aproximado de 590 apartamentos

b) Na Quinta do Cabrinha, ali paredes meias com a Avenida de Ceuta, existem 77 bandeiras portuguesas e uma do Belenenses nas janelas de cerca de 92 apartamentos.

c)Na zona nascente da Expo - a minha vizinhança - os nossos dois investigadores descobriram 2 bandeiras em perto de 500 apartamentos.

d)Nas imediações da Avenida Principal de Moscavide existem aproximadamente 150 bandeiras em 250 apartamentos.

Feito o tratamento estatístico com base na observação directa passámos à validação de hipóteses.

Assim, fica de fora a hipótese da colocação de bandeiras se dever a razões etárias. É verdade que a Quinta do Cabrinha e a zona nascente da Expo têm populações menos envelhecidas do que a Avenida dos EUA e Moscavide e é verdade que Moscavide e a Quinta do Cabrinha são recordistas na colocação de de bandeirinhas à janela. Como Moscavide tem velhos e a Quinta do Cabrinha novos, fica excluída a hipótese da idade estar relacionada com o amor ao estandarte.

Ocorreu assim ao dois investigadores, que se reuniram na confeitaria Cister, que o fenómeno tivesse algo a ver com a classe social. Verificaram-se as estatísticas de novo e chegou-se à conclusão que Moscavide e Quinta do Cabrinha são pobres e têm bandeiras à janela. Avenida dos EUA e Zona Nascente da Expo são ricas e não gostam de estandartes. A conclusão é definitiva e irrefutável.

Os investigadores também concluiram que poderá verificar-se uma inversão na distância que separa as classes sociais, uma vez que os mais desfavorecidos já chegaram ao pico máximo de bandeiras à janela e a classe média ainda poderá aderir à onda - tem muito espaço vago. Por outro lado, a teoria Pacheco Pereiriana de que o futebol infestou todos os sectores da sociedade portuguesa - leia-se janelas - está errada uma vez que a classe média não aderiu. Já o capital - e este é um dado adicional recolhido para o estudo - não terá a mesma posição: na sede do BES, 250 janelas correspondem a 250 bandeiras. Finalmente, esta teoria lança uma certeza e uma suspeita. A de que a classe média, historicamente, reserva-se para a vitória e que o Presidente da República estará à espera da adesão do centrão para decidir se vai ou não à Alemanha.

(brevemente publicaremos este estudo num livro da editora do Valter Hugo Mãe ou numa coluna do Expresso se o Henrique Monteiro nos convidar)

11 Comments:

Anonymous Guerra Junqueiro said...

Tive inside information do vosso trabalho de campo.E agora como é que se vai mudar as cores da bandeira?Ninguém esperava este fervor republicano impulsionado pelo BES.É a aliança Povo-Banca a mostrar« o esplendor de Portugal»...

6:08 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

Guerra ao Junqueiro...

Esse Junqueiro é de truz.Então esse Serras Gago nem se fala:querem fazer uma analise tipo estratificação social aonde só cabem as formas consensuais pachecopereirianas e marinacosta- lobianas,isto é,estamos todos nacionalisticamente aeuropeus e,tanto pior para a Quinta do Cabrinha e outros resistentes pata
ao lèu:é só atraso e caldos de populismo!

5:34 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

O "DECADENTE das AVENIDAS NOVAS"
Mas,afinal as bandeirinhas são um sinónimo de patriotismo ou alienação e fetichismo miserabilista como afirma o oleado Rui Santos,jornalista desportivo do "jogar no eixo"(do Bem)?

5:59 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

OS QUATRO "TRAIDORES":

Quem são os quatro traidores,que manifestaram um insano cepticismo e uma mórbida duvída quanto ao grau de scolarização da população portuguesa:vitória da Senhora "de Lurdes" da "5 de Outubro"?Ou vitória da oligarquia do BES?De qualquer modo,aqueles que gostam de "armar ao pensador livre" devem pensar no bom senso e na fundamentação analítica das suas afirmações,sem o que, é a própria legitimidade da liberdade de expressão que sofre um rude golpe.Se GALILEU tivesse afirmado que o planeta TERRA era um paralelipípedo ovalóide(forma imperfeita) teria tido igualmente a oposição da
IGREJA CATÓLICA,mas hoje seria um zero à esquerda(seria,um bloco ovalóide à esquerda).Nada de meias palavras:...e,os quatro traidores são:os do trio de ataque mais o oleado da cabeça como refere o falso comentador anterior.Hão-de ir todos de rojo,pedir perdão ao SARGENTÃO,que os porá a pesar 39.000 bolas de futebol,com aproximação ao nanograma.Se houver um atrevido que ouse replicar,digo mesmo o nome de cada um do "bando dos quatro"

6:28 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

O ALIBI POPULISTA

Mal um povolézico esperneia,é logo apodado de horror populista,a menos que esperneie num transe futebolístico:aí,é patriotismo!

7:30 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

O ALIBI POPULISTA

Mal um povolézico esperneia,é logo apodado de horror populista,a menos que esperneie num transe futebolístico:aí,é patriotismo!

7:31 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

E,se as pessoas que vivem nos prédios não tivessem socialmente correspondência com a aparência exterior dos mesmos.Porquê este determinismo sociológico que tudo corrompe,nomeadamente o tão saudavelmente português "meia-bola e força"?Abaixo o determinismo e viva o porreirismo que não é assim tão negativo como dizem os seguidores intelectuais tipo "VERDE PRADO LEBRE".

7:43 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

ATTAC'S À CLASSE MÉDIA

Sem uma actividade bancária forte e lucrativa não será possível criar uma classe média dinâmica e capaz de enfrentar as ameaças externas.Os piques de Guerra Junqueiro contra a activividade do sector fazem lembrar as perseguições de D.Manuel I aos sectores dinâmicos e inovadores da sociedade,para satisfazer os interesses rendeiros e abrir caminho a uma aliança com o poder continental ibérico.A superlativa presença das bandeirinhas nas camadas mais baixas da cidade seriam assim uma garantia suplementar de que "no pasarón"!

10:56 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

ATTAC'S À CLASSE MÉDIA

Sem uma actividade bancária forte e lucrativa não será possível criar uma classe média dinâmica e capaz de enfrentar as ameaças externas.Os piques de Guerra Junqueiro contra a activividade do sector fazem lembrar as perseguições de D.Manuel I aos sectores dinâmicos e inovadores da sociedade,para satisfazer os interesses rendeiros e abrir caminho a uma aliança com o poder continental ibérico.A superlativa presença das bandeirinhas nas camadas mais baixas da cidade seriam assim uma garantia suplementar de que "no pasarón"!

10:56 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

FLAGFADING E,agora,as bandeiras também vão desaparecer,diferencialmente,de acordo com o status social?Isso é que era uma grande "trouvaille".

9:00 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

Guardem as bandeiras para o pró- ximo EUROPEU,na SUÍÇA,em 2010!

4:08 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home